segunda-feira, 24 de novembro de 2014

O Último Ato de Romeu

Venho aqui
de peito aberto
e pulso forte
Não há reservas
nem promessas
Circunstancial
É que somos iguais
em jeitos diferentes

Vim aqui
só pra te ver chegar
te ver passar por mim
e te deixar ir
mais uma vez
sem partida
sem adeus

Vejo mudar
mas sinto o mesmo
Vejo outro braço seu pescoço enrolar
mas de seu coração ainda me faz berço
Ouço-te na madrugada rezar
meu nome feito terço

Mas apega-te ao apreço
Não vê outro jeito
Feito montanha
não muda de endereço
Não se move
só comove
vendo a chuva lavar
seu pesar em silêncio

E esse corte sem fechar
faz meu riso dissimular
enchendo de vazio
esse buraco que você rasgou ao passar
Até que enfim venha me visitar
seu último beijo em morte
dor 
me 
será